Artigos

22/08/2017

Passeio orgânico: pelo incentivo de uma nova relação entre consumidores e agricultores

É comum que consumidores tenham muitas dúvidas sobre a produção de alimentos orgânicos. Como identificar um produto na hora da compra? Os orgânicos são mais saudáveis? E por que esses produtos são tão caros?

Mas essas dúvidas, e muitas outras, acabam esclarecidas quando se promove o contato direto entre o consumidor e o agricultor. Foi por isso que realizamos, no dia 4 de junho, mais uma edição do Passeio Orgânico. Na atividade, consumidores tiveram a chance de visitar o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), em Pinhais (PR), e também algumas propriedades rurais orgânicas no município de Quatro Barras (PR).

O Passeio Orgânico tem um caráter educativo. Ele aborda as várias etapas da produção orgânica e mostra a relevância social e cultural da permanência, no campo, daqueles que estão produzindo nossos alimentos – os agricultores e suas famílias.

A inserção do jovem no trabalho rural; a integração da lavoura com a produção animal e a natureza; a agroindústria familiar; as formas de comercialização dos produtos; os compromissos éticos presentes nessas práticas… São vários os aprendizados que temos durante uma experiência como essa. E, ao final, acabamos por entender que o resultado do modelo orgânico ou agroecológico de produção é a promoção de um mundo mais justo para todos nós.

Essa edição do Passeio Orgânico contou com 38 participantes, que lotaram um micro ônibus e alguns veículos. Participaram vários casais jovens, mas também muitos idosos e mesmo crianças. Todos estavam bastante animados e curiosos!

A primeira etapa do passeio foi uma visita à sede do CPRA. Lá, contamos com a valiosa participação da engenheira agrônoma Ana Simone Richter, responsável pela área de Produção Vegetal Integrada da instituição. Os visitantes tiveram contato com várias das atividades desenvolvidas no centro, como a criação de abelhas nativas; as bioconstruções em bambu; produção de frutíferas; horta orgânica; horta mandala; coleção de plantas medicinais; compostagem; sistema silvi-pastoril; e produção de leite orgânico. O dia estava ensolarado e muito agradável – propício para atividades ao ar livre, o que animava a todos ainda mais.

Por volta do meio dia, o grupo seguiu em direção à primeira das propriedades orgânicas que integravam o roteiro. Fomos à propriedade Terra Graciosa, que ganha seu nome por estar à beira da Estrada da Graciosa, no município de Quatro Barras. O grupo foi recebido com muito carinho e acolhimento pela proprietária, a agricultora Ana Teresa. Foi oferecido um almoço num salão amplo construído em madeira, troncos e barro e entrecortado por luzes naturais que incidiam a partir de garrafas de vidro que compunham em desenhos desalinhados as paredes do salão.

Os visitantes se impressionaram com a beleza do local, e de todo o entorno. Os pratos servidos – saladas verdes, feijão, arroz selvagem com multigrãos, refogados de multi-legumes e farofas – compunham um saboroso almoço acompanhado de sucos naturais. Após a refeição, o grupo teve a oportunidade de conhecer as áreas de produção da horta, criação de galinhas e também uma pequena área com parreirais de uva. Além disso, os visitantes conheceram viveiros de plantas diversas e outra pequena área demonstrativa destinada à produção em sistema de agrofloresta.

Com a participação entusiasta de Ana, o grupo aprendeu muito sobre as atividades ali conduzidas. A propriedade faz parte da Rede Ecovida de Agroecologia e possui certificação pelo sistema participativo de garantia.

No meio da tarde, fomos conhecer, na mesma região, a propriedade  Produtos DiHelena, mantida pelo casal Rubens e Andréia. Eles se dedicam à produção de frutas vermelhas: amora, uva, ameixa, blueberry e morango, que é o cultivo mais representativo para a renda do casal. Ali, o morango é produzido no sistema *slab*: em canaletas com terra e substrato e em mesas elevadas para facilitar os trabalhos de produção, em uma área que chega a produzir, em média, duas toneladas por safra. As frutas colhidas por Rubens e Andréia são comercializadas *in natura* e também processadas para a produção de geleias e recheios de bolos. É uma produção bastante tecnificada. A propriedade conta com máquinas e equipamentos modernos para a fabricação desses produtos. Interessante, também, foi a visita aos locais onde ficam instaladas as placas fotovoltaicas para produção de eletricidade que atende à demanda energética de toda a propriedade e resulta numa significativa redução dos custos de produção.

Além de certificada pela Rede Ecovida pelo método participativo, a propriedade é também certificada pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (TECPAR) pelo sistema de auditoria. Foi importante observar o interesse de muitas pessoas do grupo em conhecer as particularidades de cada um desses modos de certificação orgânica.

Ao final da visita, foi servido um saboroso café, acompanhado de pães, bolos, geléias e muitos outros quitutes, o que deixou a todos muito satisfeitos.

O Passeio Orgânico cumpriu seus propósitos. Possibilitou o conhecimento das formas de produção orgânica e promoveu uma rica troca de experiências entre agricultores e consumidores no sentido de estabelecer responsabilidades mútuas na dinâmica das relações sociais e de comércio justo que ocorre desde a produção até o consumo.

Semana Nacional dos Orgânicos

O Passeio Orgânico foi promovido como parte da programação da Semana Nacional dos Orgânicos, que aconteceu entre os dias 30 de maio a 4 de junho de 2017. Por meio de vídeos, panfletos, palestras, exposições e encontros, promove-se um intercâmbio de informações entre o poder público, agricultores e consumidores. O objetivo é incentivar a produção e o consumo dos alimentos orgânicos.

Além do Passeio Orgânico, a programação contou com palestras sobre alimentação e higiene dos alimentos; visitas guiadas ao Mercado Municipal de Orgânicos e às feiras; oficinas de hortas em vasos; palestras sobre saúde e orgânicos; *workshops* sobre plantas alimentícias não-convencionais; conversas sobre o aproveitamento integral dos alimentos e micro-jardinagem; palestras sobre sistemas de CSA (Comunidades que Sustentam a Agricultura); exposições de marcas e produtos; entre tantos outros assuntos.

A Semana Nacional dos Orgânicos acontece todos os anos em praticamente todo o Brasil. É coordenada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) em parceria com instituições tanto públicas como privadas. Em Curitiba (PR), a programação da semana foi organizada pela Secretaria Municipal de Abastecimento (SMAB) e apoiadores.

Segundo o MAPA, esse esforço coletivo – envolvendo pessoas que atuam na produção, processamento, comércio e consumo de produtos orgânicos – foi pensado para construir uma grande rede do bem, voltada a uma outra lógica de produção e consumo em que é fundamental a existência de compromissos éticos. A ideia é que o resultado disso tudo seja a construção de um mundo melhor e mais justo para todos.

Ivo Barreto Melão
Engenheiro agrônomo do Centro Paranaense de Referência em Agroecologia e presidente da Associação dos Consumidores de Produtos Orgânicos do Paraná (ACOPA)



  • Conheça o canal do CPRA no YouTube

  • Leia as notícias do CPRA no Medium

  • Conheça a página de apresentação do CPRA no Spark
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.